Liberação de crédito rural cresce 25% no trimestre

O valor total liberado para o crédito rural no Brasil no período de Julho a Setembro foi de R$ 48 bilhões, o que é um aumento de 25% em relação a igual período do ciclo 2016/2017. De acordo com o Banco do Brasil, o motivo da recuperação nos três primeiros meses da safra 2017/2018 foram as quedas de juros em um momento de margens mais apertadas no setor rural.
Com uma capitalização menor, os agricultores brasileiros adiaram a contratação de créditos na safra anterior para o ciclo atual. No atual Plano Safra, as taxas de juros baixaram para um patamar entre 6,5% e 8,5%, o que são dois pontos percentuais a menos que no período anterior.
O Banco do Brasil anunciou que recuperação a participação no mercado e agora voltou a liderar o segmento. Os bancos públicos liberaram R$ 25,2 bilhões no primeiro trimestre do ano-safra 2017/18, 61,5% mais que em igual intervalo do ciclo anterior, sendo que o Banco do Brasil foi responsável por R$ 20,7 bilhões ou 60% a mais. O banco ainda destacou medidas como a redução da burocracia e agilização de liberações como efetivas para recuperação do mercado. No período anterior, bancos privados como Bradesco, Itaú e Santander haviam crescido em participação.
“O BB está acompanhando o comportamento da poupança, que tem apresentado boa elevação, mas não vemos problemas também em aplicar recursos de depósito à vista e LCA [Letras de Crédito do Agronegócio] para emprestar ao produtor”, disse ao jornal Valor o vice-presidente de Agronegócios do Banco do Brasil, Tarcísio Hubner. A poupança rural é apontda como responsável por 52% do “funding” das liberações no Brasil.