Servir: a nova moda para ser feliz

Será que a nova moda para ser feliz é realmente “servir”? Será que nossos avós estavam certos? Será que as religiões estão certas?

Pode parecer mentira, mas é o que dizem os modernos estudos de neurociência e falam hoje os mais importantes professores e pesquisadores como Daniel Goleman (o chamado “Pai da Inteligência Emocional”) e muitos outros das grandes universidades do mundo – Harvard e Stanford – como Carol Dweck e Howard Gardner.

Com o advento do diagnóstico por imagem, o estudo do cérebro humano tem tido enormes progressos. Sabemos as áreas do cérebro responsáveis por nosso bem-estar, sentimentos de felicidade, autoestima, etc. E é com base nesses estudos que os neurocientistas afirmam que pessoas que servem outras pessoas sem esperar recompensa; pessoas que se doam a programas sociais em que acreditam; pessoas que se esforçam para fazer outras pessoas mais felizes, são, na verdade, as mais realizadas, as de maior autoconfiança, autoestima elevada, as mais verdadeiramente felizes.
Assim, dizem eles, realmente a felicidade está em servir!

Com base nesses estudos tivemos, no mundo inteiro, no dia 28 de novembro, a chamada “Terça-feira de Doar” que começou, há seis anos, nos Estados Unidos, como “Giving Tuesday”.        A ideia é que as pessoas, na terça-feira após o Thanksgiving (Dia de Ação de Graças) e após o furor de compras do Black Friday, doem suas coisas, seu tempo, sua atenção, sua compaixão, seu carinho às que mais precisam.

No Brasil a ideia foi trazida como “Dia de Doar”.    (diadedoar.org.br). São mais de 70 países envolvidos na difusão da “Cultura da Doação”, não só para ajudar entidades ou comunidades, mas para fazer com que o doador experimente a “felicidade de servir”.

Por isso a campanha mundial não fala apenas em doações financeiras ou materiais. Nesse dia as pessoas são levadas a doar tempo, dedicação, carinho, atenção, enfim, amor a outros seres humanos, pois essa é a fonte da felicidade. Ou seja, quem doa experimenta uma sensação de felicidade maior do que quem recebe, afirmam os pesquisadores.
E você? E na sua empresa?

Será que já não é tempo de acabarmos com atitudes egoístas; competições internas; guerra entre departamentos; fofocas, etc. e passarmos a usar o que os estudos modernos nos indicam?

Será que não seríamos todos mais felizes se realmente servíssemos nossos colegas de trabalho em vez de competir com eles?
Será que não é tempo de instalarmos uma “cultura do servir” em nosso trabalho?

Até por egoísmo, lembre-se que você será mais feliz se servir alguém….

Portanto, seja feliz! Sirva!

 

Fonte: Agrolink