Otimismo com preços do arroz faz produtores investirem

Os produtores de arroz do Sul do Brasil estão investindo em mais tecnologia para aumentar a produtividade da cultura no próximo ano. Esse otimismo é gerado pela recente alta nos preços do cereal e o bom desempenho das vendas para o exterior, que são motivadas pelo equilíbrio entre os preços internos e o câmbio favorável.

Nesse cenário, os estados do Rio Grande do Sul e Santa Catarina foram os que mais produziram arroz na última safra. De acordo com o analista Cleiton Evandro dos Santos, da AgroDadosInteligência em Mercados de Arroz, o primeiro foi responsável por 69% da produção do arroz brasileiro na safra 2017/18 e o segundo chegou a produzir 1,1 milhão de toneladas, com os preços aumentando cerca de 8% de maio para junho.

“A indústria de Santa Catarina se abasteceu bem na safra, com preços mais baixos, mas gradativamente está indo ao mercado e disputando o grão com exportadores e as indústrias gaúchas e de outros estados. Essa competição e a importação menor este ano estão dando fôlego para a recuperação das cotações aos arrozeiros. No extremo sul catarinense as cotações já acompanham as do litoral Norte gaúcho, na faixa de R$ 40,00 a R$ 42,00 livres”, explica.

Diante disso, os especialistas estão alertando sobre a importância de escolher a semente certa para o plantio. Para Cyrano Busato, engenheiro-agrônomo da RiceTec, o potencial genético da semente, as condições edafoclimáticas do local do plantio e um manejo correto são fundamentais para que o agricultor possa colher um volume produtivo considerável e aproveitar todo o potencial do aumento de preços.

“O produtor precisa planejar a sua lavoura para plantar na melhor época e não deixar o preparo ou o plantio para o final da janela de semeadura. Na entrada da primavera, que é quando se iniciam os trabalhos de semeadura, a previsão é que as chuvas sejam dentro da normalidade, portanto será um ano para o produtor escalonar o ciclo das variedades a serem semeadas e maximizar sua produtividade”, finaliza.

Fonte: Agrolink